26/11/2010

Calmaria


Edison Gil / Karla Julia

Desde que te conheci
ando me perdendo dentro dos teus olhos de mar,
tenho que ter muita calma,
temo neles me afogar, em teus olhos de mar.

Às vezes vejo tormentas,
tempestades e maremotos,
outras... Tudo que neles há...
Cal-ma-ri-a.

Em dias de sol, sinto o balanço do mar,
abordo em tuas pupilas molhadas
para depois, vaguear, iluminado pelo fascínio dos teus lábios
guardando para sempre seu sabor.

E em tua boca adocicada,
observo cada onda formada,
melhor então nunca mais me achar

dentro dos teus olhos de mar.

E tudo, que neles há...
Ven-ta-nia.

-

10 comentários:

  1. Salve, salve nobre poeta!
    Adorei! Se eu fosse declamar algo hoje ao meu amado marido, seria com certeza esse belo poema! Hoje estava aqui cantando 14 Bis "Todo Azul do Mar", pensando nele...rsrs...e de repente me surge esse seu poema! É...cada vez mais acredito que nada na vida nos acontece e nem aparece por acaso!
    Muito obrigada!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  2. Sir Cada dia mais você coloca novos ingredientes em seus poemas que faz com sempre eles se distinguam, nos dando prazeres diferentes.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  3. Olá amigo Edison, muito lindo seu poema,adorei.Parabéns a você e a karla.
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá querido poeta !!!

    Belíssimo texto, recheado de emoção, intensidade e é claro, tudo descrito com perfeição e beleza !!
    Adorei !!

    Um enorme abraço !! :)

    ResponderExcluir
  5. Estupendo! Os olhos são a janela da alma, neles vemos mais do que paisagens, vemos a alma exposta, basta saber fazer a leitura

    ResponderExcluir
  6. Que Post Fantástico!
    Amigo EDISON GIL:
    Com toda a minha sinceridade, o Poema Calmaria, é um verdadeiro HINO... Absolutamente lindo, belo e profundo!
    Contagiou. Mexeu. Valeu.
    Abraços fraternos,
    LISON.

    ResponderExcluir
  7. Gostei do poema e da nova foto no perfil, parece bem mais jovem,
    tenha um ótimo fim de semana

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente lindo! O amor, tal como o mar, possui várias nuances ; nem sempre ele é calmo, às vezes pode ser perverso, até cruel.
    Suas cores, por diversas vezes, mudam de tom, ele poderá ser cinza e sombrio como um lago de chumbo, mas claro, verde ou azul, em um outro momento qualquer...
    Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  9. Ah poeta, poemas de amor puxa eu adoro o que escreve. Essas ventania e cada gesto e passo da pessoa que amamos, anda escrevendo coisas de amor, será que esta apaixonado? rs
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  10. Que delicioso... eu me senti acompanhando cada verso... como se estivesse vendo tambem e sentindo.

    ResponderExcluir